PROTEÇÃO CONTÍNUA

Sistemas de supressão de incêndio são uma solução eficiente para garantir a segurança da operação florestal

Os incêndios em máquinas florestais são mais comuns do que se imagina. Entre maio de 2016 e maio de 2017, foram relatados 97 incêndios em operações florestais, mais de oito por mês. Esses incêndios podem gerar danos em três níveis: máquina, operador e floresta. E mesmo que fique apenas na máquina, a perda do equipamento e o tempo da operação parada, causam prejuízos incalculáveis. Especialistas destacam a existência de um ambiente altamente propício ao fogo nas máquinas florestais, uma vez que há o chamado triângulo do fogo perfeito, reunindo combustível, altas temperaturas e oxigênio. Como as máquinas trabalham continuamente em um ritmo acelerado e precisam de combustível para funcionar, apenas uma faísca de um curto-circuito ou rompimento de uma mangueira hidráulica é necessário para que um incêndio se inicie. Para garantir a segurança da operação florestal, os SSI (Sistemas de Supressão de Incêndio) são a solução ideal para a prevenção de acidentes e proteção dos ativos da empresa. Os SSI já fazem parte do DNA de grandes empresas e OEM’s (Original Equipment Manufacturer), que os têm como item de fábrica em suas máquinas. É o caso da Komatsu, que, segundo Sandro Soares, gerente de produtos, já oferece equipamentos para o setor florestal com SSI há mais de 10 anos. “Entendemos que é primordialmente uma questão de segurança e de garantia para que a nossa máquina possa oferecer o melhor desempenho para a operação”, destaca Sandro.

A empresa tem mais de 20 anos de experiência na manutenção de máquinas pesadas e a DAFO enxergou nesse trabalho o que precisava em sua representante brasileira

Iracildo Junior, consultor corporativo florestal da Sotreq, comenta que a empresa trabalha com a comercialização e locação de máquinas. Diante deste quadro, o consultor identificou que o SSI é um produto essencial para aplicação nos equipamentos comercializados. “Com o SSI valorizamos a integridade da marca e geramos mais segurança contra possíveis sinistros ou danos que ela possa sofrer”, aponta. Iracildo revela, ainda, que o trabalho mais importante é mostrar que o SSI é um investimento e não um acréscimo de custo. “O cliente muitas vezes não tem a informação sobre o tema e nosso trabalho é mostrar a importância da escolha pelo SSI”, aponta Iracildo. Para quem está no campo a importância do SSI é vista diretamente no dia a dia, como relata Jairo Reckziegel, gerente de colheita e manutenção da REMASA. “Tivemos um incêndio em uma máquina há alguns meses e se não fosse o SSI o prejuízo poderia facilmente passar de um milhão de reais. Isso se não atingisse a floresta”, relata Jairo. Por isso, o gerente ressalta que desde 2012 todas as máquinas adquiridas pela REMASA contam com o sistema. “Garantimos a proteção do nosso equipamento, do operador e da área de trabalho com investimento relativamente baixo”, completa Jairo.

Veja mais aqui.