Corredores ecológicos

O conceito de conectividade vai permear a política de Corredores Ecológicos desenvolvida pelo MMA (Ministério do Meio Ambiente). A primeira reunião do Comitê e Grupo Técnico do Programa Conectividade de Paisagens – Corredores Ecológicos foi realizada no início de julho; em Brasília.

O Programa Corredores Ecológicos é uma estratégia para a gestão da paisagem no Brasil; ao integrar as políticas públicas do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) com a implementação do Código Florestal. A medida ordena as áreas de florestas e de conservação em propriedades privadas e gera a conectividade desejada com áreas públicas protegidas, em harmonia com o setor agrícola e florestal.

A dimensão nacional do projeto permite a construção de um panorama continental na América do Sul; promovendo a base para o diálogo com países vizinhos e parceiros em todo o mundo. No Brasil, o programa recebe contribuição da academia, por meio do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo; além de grupos de ONGs e de iniciativas da Reserva da Biosfera da UNESCO.

Mas afinal o que são corredores ecológicos ?

Corredores Ecológicos são áreas que possuem ecossistemas florestais biologicamente prioritários e viáveis para a conservação da biodiversidade na Amazônia e na Mata Atlântica; compostos por conjuntos de unidades de conservação, terras indígenas e áreas de interstício.

Sua função é a efetiva proteção da natureza, reduzindo ou prevenindo a fragmentação de florestas existentes, por meio da conexão entre diferentes modalidades de áreas protegidas e outros espaços com diferentes usos do solo.

São, portanto, uma estratégia para amenizar os impactos das atividades humanas sob o meio ambiente e uma busca ao ordenamento da ocupação humana para a manutenção das funções ecológicas no mesmo território.

A palavra do secretário

Para o secretário de Biodiversidade, José Pedro Costa; a ideia de conectividade, na qual flora e fauna possam se adaptar às mudanças climáticas; é crucial para salvar as espécies e evitar que o clima se modifique ainda mais, a partir de replantios, da segmentação de carbono e da produção de água.

Ele explicou que o trabalho de conectividade já acontecia, mas agora passa a ser oficialmente assumido pelo MMA. Consta inclusive da própria lei do Sistema Nacional de Unidades de Conservação, de 2000. Mas houve a decisão para que seja trabalhado de forma mais ampla, envolvendo outros ministérios.

Gostou ? Leia mais assinando a revista Referência Florestal aqui.

Carbono plnata
Post anterior

Carbono: Sistema Ilpf pode incrementar o solo

Próximo post

This is the most recent story.

Diego

Diego

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *